terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Comentários sobre as questões de Literatura B - Segunda ETAPA UFMG 2012

Galerinha, 
Comento aqui as questões, mas são os meus apontamentos, nada de criar desespero ou algo parecido, não sou quem corrige as provas, logo os critérios podem ser diferentes.

Comecemos com a citação retirada da orelha do livro: “Se a falsidade é o tema central destas Jóias de Família, a verdade não será aquilo que encontraremos, resplandecente, no final da jornada”.

Alguns pontos podem ser apontados:
  • O rubi sangue-de-pombo, que era falso e que remete à falsa relação matrimonial que era encenada por Maria Bráulia e o Juiz Munhoz. É importante lembrar que pela narrativa ficamos sabendo da a protagonista aprendeu a dissimulação a partir do marido. Assim, todo o casamento passa ser uma grande mentira ou a encenação da mesma.
  • O sobrinho, que na verdade era do Juiz e não dela, ingenuamente acredita que receberá de recompensa o rubi (sim, o mesmo sangue-de-pombo), porém não percebe que Maria Bráulia lhe envolve em um jogo de mentiras, usando também a joia como isca.
  • Portanto, seja com o juiz (o mestre), seja com o sobrinho (o ingênuo), a protagonista aprende e executa a arte de mentir e de usar máscaras para ocultar a verdade, se caso ela realmente exista.






A reconstituição do passado através da escrita, nas duas obras passa pelo fator da subjetividade. Em Infância, de Graciliano Ramos, as memórias narradas retratam um processo de constituição subjetiva, uma formação que vai ganhando contornos a partir do encontro com pessoas e coisas que permearam a vida do narrador; logo, o que lemos são os fatos sobre a ótica do mesmo, embora se aproxime muito dos dados biográficos da vida do autor, a real descrição dos fatos, tal como aconteceram, sempre estará corrompida pela mão que viveu e escreve a história.

Seguindo essa linha, torna-se difícil aceitar como a verdade dos fatos a narrativa de Bento Santiago, em Dom Casmurro, de Machado de Assis. O narrador não só viveu, como carrega em cada palavra o rancor, a dor e a melancolia de suas lembranças. Se em Infância temos dados biográficos para nos apoiarmos, aqui temo apenas as palavras de um (me desculpe tomar partido) louco ciumento. 

Assim, como diz Dom Casmurro como seu objetivo era restaurar na velhice a adolescência, o que não conseguiu, talvez Graciliano Ramos tenha chegado mais perto, mas também ele deixa claro as lacunas e a dificuldade de reconstituir o que já passou. 






4 comentários:

  1. nosssaa!!
    sabia que era parodia!
    graças a Deus

    ResponderExcluir
  2. A prova não estava dificil, o problema é colocar no papel de forma certinha.....

    ResponderExcluir
  3. os enunciados já estao no site da copeve,prova completa. Preciso ver os comentarios estou curiosa.

    ResponderExcluir